Missão Urbana

União Central Brasileira

Quanto Vale a sua Saúde?

 

Charles Swindoll, Growing Stronf In The Seasons Of Life. Trad. Kimberly Santana

Para deixar bem claro, eu não sou médico tampouco filho de médico, e mesmo que eu fale como um doutor, não se deixe enganar. O que eu quero compartilhar não vem de um treinamento médico intensivo, mas da vasta prática do ato de pensar. É porque eu não sou qualificado para prescrever, esperando que você tome um remédio, que eu escrevo a filosofia, esperando que você absorva a mensagem.

Frank Burgess, humorista americano, falou a verdade quando declarou: “Nossos corpos são adequados para serem nossas autobiografias.”  E Arthur Schopenhauer, filósofo astuto da Alemanha, colocou de outra forma: “O maior erro que um homem pode cometer é sacrificar sua saúde por alguma outra vantagem.”

A saúde é o que te faz sentir que o agora é a melhor época do ano. Tanto quanto ter uma boa consciência, a saúde deve ser valorizada. Mas não é! De todos os bons e perfeitos dons que Deus nos deu, esse é o menos reconhecido. Ou nós a ignoramos (com um hábito ruim) ou tiramos vantagem disso de maneira errada. A saúde é como um estudante tímido que levanta a mão para fazer uma pergunta para a professora, que está sempre muito ocupada para notá-lo ou muito exigente para se importar. Mas também há horas em que a saúde deixa de ser “bacana” e se recusa a ficar quieta. Suas frustrações são tão febris que gritam por nossa atenção… e ela consegue!

Muitos de nós somos muito negligentes quando o assunto é a manutenção da saúde. Descansar, por exemplo.  Um tal  “santo dedicado”  uma vez declarou: “Prefiro virar cinzas do que me esforçar”. Que tipo de escolha é essa? De qualquer forma você vai acabar mal. Boa saúde depende de um bom descanso.  Descanso pode ser um momento tão espiritual quanto a oração – às vezes mais.

Comida, por exemplo. O seu corpo e o meu não podem ser melhores do que a comida que ingerimos todos os dias para nutri-lo, fortificá-lo e reconstruí-lo – não importa o quanto amemos ao Senhor! Deus nunca pretendeu que nós funcionássemos a partir de uma dieta constante de alimentos refinados ou “imitados”, sem nutrientes e cheios de conservantes… plantados em campos poluídos de pesticidas e outros venenos. Você pode ser um professor da Bíblia, cheio de dons, com muita demanda – mas se você só engole porcaria, sua saúde vai acabar. Boa alimentação (na quantidade certa) pode ser tão espiritual quanto os ensinamentos da Verdade – às vezes mais.

Exercício é um outro exemplo. Nenhuma quantidade de testemunho ou louvor pode substituir o exercício físico. Toda célula e órgão do corpo tende a crescer em eficiência através do exercício. Exercícios vigorosos estimulam a mente, o sangue, os músculos, os sentidos. Até afeta nossas preocupações (levando-as para longe) quando estamos em momentos de recreação e mudando nosso ritmo. Não é surpresa para mim que a primeira preparação sugerida no livro do Dr. Laurence  J. Peter em “Como fazer as coisas darem certo” seja: REVITALIZE SEU CORPO.  Exercício pode ser tão espiritual quanto participar na igreja – às vezes mais.

Três perguntas: Qual é o templo do Espírito Santo? O que devemos apresentar ao Senhor como sacrifício vivo? Resposta: O corpo. Não podemos pensar que orações em alta voz ou estudos da Bíblia demorados, talvez adoráveis trabalhos para a igreja vai fazer com que Deus sorria para os nossos hábitos preguiçosos.

Aprofundando suas raízes
Provérbios 23:23 e 21; Daniel 1:8-16; 1 Cor. 6:12-19