Missão Urbana

União Central Brasileira

Partilhando a Palavra

por Mark Finley

Numa reunião campal pelos idos 1800, o Pastor S. N. Haskell estava com um problema. Ele não conseguia se fazer ouvir pela multidão reunida num grande tabernáculo, por causa do ruído da forte chuva que caía. Então ele desceu da plataforma, ficou no centro do corredor, e pediu ao público que se reunisse próximo a ele. E começou um estudo bíblico improvisado com o povo, fazendo perguntas, orientando-o a encontrar os textos com as respostas, e comentando as passagens da Bíblia. Os que estavam ali presentes lembravam-se desta reunião como uma ocasião de bênçãos incomuns.

Quando Ellen White ouviu sobre isto, ela provou a atitude de Haskell. Ela comentou que o método de perguntas e respostas para estudar a Bíblia era o que Deus repetidamente lhe mostrara ser o método que nossos membros devem usar em família. A Sra. White mais tarde escreveu sobre este método de ensino em termos de um grande movimento:

“Nas visões da noite, passaram perante mim representações de um grande movimento de reforma entre o povo de Deus. Centenas e milhares foram vistos visitando as famílias, e abrindo diante delas a Palavra de Deus… O mundo parecia ser iluminado com a influência celeste.” Testemunhos, vol 9, p. 126.

Que quadro! Centenas e milhares de crentes adventistas abrindo a Bíblia com seus amigos e vizinhos – isto sem dúvida seria um poderoso movimento. Porém, alguns de nós reagem, tipicamente, dizendo: “Oh, penso que jamais serei capaz de dar estudos bíblicos. É complicado, e as pessoas podem me fazer perguntas que não saberei responder.” Bem, vou contar como foi o primeiro estudo bíblico que eu dirigi. Como estudante veterano de teologia no Atlantic Union College, eu tinha que achar alguém para dar estudos bíblicos para poder me formar. Olhei à minha volta e finalmente consegui encontrar uma distinta senhora que estava disposta a me tolerar estudando com ela. Eu estava nervoso e muito inseguro de mim mesmo, mas conseguimos terminar os estudos. E assim, consegui o meu diploma.

Dez anos mais tarde, voltei ao Atlantic Union College para realizar uma série evangelística. Após a palestra na noite de abertura, vi uma figura familiar que vinha caminhando pelo corredor. Era a mesma senhora distinta. Ela cumprimentou-me pelo sermão e disse: “Você mudou muito nestes dez anos!” Naquela noite em meu quarto eu orei sinceramente por ela. Contei ao Senhor que aquela senhora estivera esperando por dez anos e roguei que a semente da verdade que eu semeara tão debilmente pudesse agora produzir fruto. Graças a Deus, ela foi a primeira pessoa que batizei durante aquela série.

Deus nos ama. Se nós começamos a procurar, começamos a estudar com outros, mesmo com as limitações de nossa personalidade – com nossa voz fraca e nossas palavras gaguejantes – Deus atuará de modo poderoso e dinâmico. Cada um de nós pode alcançar pessoas que talvez ninguém mais possa. Cada um de nós pode fazer amigos para Deus. Somente na eternidade conheceremos todos resultados.

O princípios que todos nós temos que atender é este: o poder está na Palavra de Deus. A Bíblia é um livro vivo, um livro criativo. Ele muda corações e vidas. O poder não está em nossa personalidade e em nosso poder de persuasão; está na Palavra de Deus. O Salmo 33:6 e 9 nos diz: “Os céus por Sua palavra se fizeram e pelo sopro de sua boca o exército deles… Pois Ele falou, e tudo se fez; Ele ordenou, e tudo passou a existir.” Ellen White amplifica esta idéia:

“A energia criadora que trouxe à existência os mundos, está na Palavra de Deus. Esta Palavra comunica poder, gera vida. Cada mando é uma promessa; aceito voluntariamente, recebido na alma, traz consigo a vida do Ser infinito. Transforma a natureza, cria de novo a alma à imagem de Deus.” Educação, p.126.

Quando você e eu entrarmos nos lares e começarmos a ensinar sobre a Bíblia, estaremos partilhando os princípios que transformam a vida, que criam novamente os seres humanos. Vamos então considerar os três princípios fundamentais que nos ajudarão a partilhar a Palavra – o ABC da arte de dar estudos bíblicos:

A – PRIMEIRO APRESENTAR A JESUS

B – REVELAR A VERDADE GRADUALMENTE

C – FAZER APELOS REGULARMENTE

Vamos observá-los mais detalhadamente.

A – Primeiro apresentar a Jesus.

O princípio no. 1 é apresentar a Jesus antes da doutrina; devemos começar com o Senhor Jesus Cristo. Freqüentemente, quando as pessoas descobrem que somos Adventistas do 7º Dia, a primeira coisa que fazem é nos relacionar coma alguns ensinos da igreja. Elas dizem: “Oh, vocês são o povo que guarda o Sábado.” E somos tentados a nos lançarmos a defender por que o Sábado é o verdadeiro dia de adoração. Mas devemos primeiro apresentar a Jesus. E aqui está a razão: “E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim mesmo.” (João 21:32)

Jesus nos fala que o poder de atrair, de conquistar, está nEle próprio, e não em alguma doutrina. Ele é o centro da vida cristã, a fonte da fé. Comparadas com o relacionamento com Ele, as doutrinas podem significar muito pouco. Se apresentarmos primeiro todos os nossos ensinos doutrinários, as pessoas perderão a motivação e o poder para vivê-los. Mas se as pessoas aceitam primeiro a Cristo, aceitam Seu amor, perdão e poder, então elas aceitarão a doutrina porque estarão devotadas a Ele. “O maravilhoso amor de Cristo abrandará e subjugará os corações, quando a simples reiteração de doutrinas nada conseguiria.” O Desejado de Todas as Nações, p. 826.

Enquanto realizava uma série evangelística em Michigan, fui visitar uma jovem de 19 anos de idade que tinha deixada de vir às reuniões. Quando ela atendeu à porta, parou logo à entrada e disse: “Oh, Pastor Finley. Talvez fosse melhor que o senhor não tivesse vindo agora.” Pude sentir o cheiro de álcool em seu hálito. Ela nervosamente sugeriu que nos sentássemos na varanda. Comecei a lhe falar quão feliz eu me sentia por ela ter ido às reuniões, e sobre a alegria que tinha ao partilhar a mensagem da Bíblia. E então eu tive uma experiência incomum. O Espírito impressionou-me com o pensamento de que a moça não estava mais indo às reuniões porque ela e o namorado estavam usando a casa para se encontrar enquanto sua mãe não estava.

Assim, eu disse: “À vezes há amigos que nos afastam de Cristo, e às vezes temos que perguntar a nós mesmos o que é mais importante, Cristo ou o amigo que está nos afastando dEle.” O Espírito Santo impressionou-me novamente para fazer um forte apelo. E eu comecei a instar com aquela moça para afastar-se de qualquer amigo que a estivesse levando para longe do Senhor.

Naquele momento, um rapaz alto, extremamente musculoso, apareceu à porta. Ele parecia um atleta de levantamento de pesos, e estava zangado; ele havia escutado tudo o que eu disse, do outro lado da janela. Havia fogo em seus olhos quando ele deu dois passos em direção a mim, este magro pregador. Eu sabia que não podia correr; eu sabia que não devia lutar. Portanto, estendi a minha mão. “Estou feliz por encontrá-lo”, eu disse (pela fé). “Eu estava querendo saber se você estava aí, quando você saiu.”

Ele sorriu e disse: “Vamos sentar.” Enquanto conversávamos ele me disse que não sentia necessidade de religião e que ela era uma muleta para os fracos.

Eu repliquei: “Aprecio sua opinião. Só tenho uma dúvida. Você parece um pouco zangado e defensivo. Você é feliz em sua vida?”

“É claro que sou feliz.”

“Você foi feliz no seu primeiro casamento?”

A esta altura se arregalou os olhos. Então eu perguntei: “Você está casado atualmente?”

Descobri que estava, e que tinha três filhos. “Eles sabem o que você está fazendo agora?” perguntei. E passei a contar-lhe como eu encontrara a paz interior em minha própria vida, como eu sentira por muito tempo que estava faltando algo, e finalmente descobrira o que meu coração anelava em Jesus Cristo. “Eu me tornei um filho de Deus e descobri o significado da vida” contei a ele. “O que estou oferecendo a você é Jesus, o único que pode fazer isto por você. Antes de sair, posso orar com você?”

Aquele enorme pugilista sacudiu a cabeça e disse: “Ore, Pastor.” E a moça acrescentou: “Ore por nós, Pastor, para que possamos fazer a coisa certa.” Ali naquela varanda tivemos uma reunião de oração e sentimos como se os anjos estivessem muito perto.

PRIMEIRO APRESENTE A JESUS, E DEIXE QUE O SEU AMOR ABRANDE OS CORAÇÕES. O AMOR DE JESUS ABRANDA OS CORAÇÕES. Jesus atrai a Si homens e mulheres. Apresente-O primeiro. Por favor, nunca apresente o estado dos mortos, o Sábado, o dízimo, etc. como barreiras entre a pessoa e a cruz. Em vez disto, leva as pessoas à cruz. Leve-as Àquele que pode transformar vidas, e então apresente as várias verdades que as ajudarão a crescer.

B – REVELAR A VERDADE GRADUALMENTE

O princípio no. 2 ao dar estudos bíblicos é apresentar com cuidado as novas idéias às pessoas, uma de cada vez. Provérbios 4:18 dá-nos uma descrição de progressão gradual: “A vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito.” O brilho do sol não incide sobre nós de uma vez. Ele surge gradualmente, para que não fiquemos cegos com a sua luz. Igualmente, é melhor que as verdades de Deus sejam reveladas gradualmente, para que as pessoas não fiquem confusas.

Quando as pessoas têm que tentar assimilar muitas novas idéias de uma vez, elas geralmente se desequilibram. Chamamos a isto “dissonância”, uma incapacidade de ajustar as coisas, de colocá-las todas juntas. Suponha que uma pessoa aprenda que todo olho verá Jesus por ocasião de Sua vinda. Ela terá que afastar a idéia do arrebatamento secreto. É uma idéia nova.

Então, ela aprende que o milênio não será na terra, mas no Céu. Duas idéias novas.

O dia de repouso é o Sábado. Três.

Os mortos estão dormindo. Quatro.

O corpo não deve ser contaminado com álcool. Cinco.

Em breve surge um grande atrito entre todas estas novas idéias e a inclinação natural da pessoa de se apegar ao que é conhecido.

Nós reduzimos este atrito quando progredimos passo a passo, certificando-nos se a pessoa absorveu totalmente uma doutrina antes de passar para a seguinte.

Outra coisa que ajuda é harmonizar a nova idéia com algo que a pessoa já acredita. Esta é outra razão para apresentar Cristo em primeiro lugar. Você ajuda a pessoa a aceitar a Jesus como Salvador e Senhor. Então você mostra que Jesus deu valor ao Sábado e guardou-o. portanto, nós, que acreditamos nEle, naturalmente amaremos o que Ele ama.

Toas as doutrinas – as novas idéias – que temos que partilhar podem ser melhor apresentadas através de Jesus. Ele é o “Outro Importante”, o honrado Senhor que todos nós queremos seguir.

Assim, conseguir que as pessoas se relacionem com uma doutrina através de Cristo coloca a dissonância a favor da verdade bíblica. O atrito que a pessoa sofre ao rejeitar algo que Jesus ama geralmente é mais forte que sua relutância em aceitar uma nova idéia.

C – FAZER APELOS REGULARES

Assim que a pessoa aceita uma determinada doutrina, é melhor convidá-la a tomar uma clara decisão quanto a ela. Se ela entendeu que o Sábado foi santificado na criação e que é um símbolo do repouso em Cristo, então diga: “Você gostaria de guardar o próximo dia de Sábado? Eu gostaria que você viesse à igreja comigo.”

Depois de apresentar como a doutrina se relaciona com Jesus, depois de responder a todas as perguntas, faça um apelo.

A MAIS IMPORTANTE DECISÃO:

Crer em Jesus Cristo e aceitá-Lo. É um erro esperar até o final de 24 lições e então pedir que a pessoa aceite todo o pacote de uma só vez. É demais. Lembre-se que pequenas decisões levam a decisões maiores. Portanto, primeiro apresente a Jesus; a seguir apresente uma doutrina de cada vez; e então, depois que a pessoa a compreendeu e aceitou, convide-a a tomar uma decisão quanto a esta particular doutrina.

Partilhar a Escritura desta maneira mudará vidas humanas. O poder está em Jesus Cristo exaltado através da Sua Palavra.

Algum tempo atrás, fui visitar uma mulher que tinha deixado a igreja adventista. Perguntei a ela: “Existe alguma coisa que a está impedindo de voltar à igreja?” Ela respondeu que gostaria de voltar, mas que não conseguia vencer o hábito de fumar, que parecia se colocar entre ela e Jesus. Ela simplesmente não conseguia abandoná-lo.

Então abri minha Bíblia em I João 5:14: “Esta é a confiança que temos para com Ele, que, se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, Ele nos ouve.”

Perguntei para ela: “Você acha que é da vontade de Deus que você deixe de fumar?”

“Oh, sim.”

“Quando você acha que Ele vai ajudá-lo a fazer isto?”

“Acho que Ele vai me ajudar agora.”
Eu perguntei: “Carol, em quem está a sua confiança?”

“Em Jesus.”
”Você acha que pode vencer o vício?”

“Não.”
”Você acredita que Jesus pode livrá-la através de Seu miraculoso poder?”

“Sim.”

Juntos nos ajoelhamos e cobramos a promessa. Pedimos por algo que estava de acordo com a vontade de Deus. E eu vi Deus cumprir os princípios de Sua Palavra e demonstrar Seu poder na vida daquela mulher. Os grilhões do fumo foram quebrados. Ela se libertou do vício e alegremente voltou à comunhão da igreja.

PEQUENAS DECISÕES LEVAM A GRANDES DECISÕES

A Palavra de Deus é viva e ativa. Os princípios comunicados pelo Espírito Santo têm poder para recriar os seres humanos. Vamos usar este poderoso recurso, e assim Deus possa tocar e transformar os que estão no nosso redor.

DISCUSSÃO E PARTICIPAÇÃO

  1. Quais são os três princípios do estudo bíblico?
  2. Por que é importante apresentar Jesus primeiro?
  3. Quem tem tido a maior influência em sua vida espiritual?
  4. Fale sobre o compromisso da última semana. Como vão suas visitas aos interessados? Você foi capaz de estabelecer um interesse comum, talvez ao partilhar algo que você aprendeu da Escritura?

COMPROMISSO

Veja se consegue interessar alguém no estudo da Palavra de Deus, nesta semana. Se você já está ajudando alguém com lições bíblicas, continue animando-o em seu estudo da Palavra.

INTERAÇÃO COM A PALAVRA

  1. O que precisamos fazer para tornar nossa apresentação da Palavra muito mais rica? (Col. 3:16)
  2. Observe como Paulo contrastou o debate sem nenhuma finalidade com outro tipo de comportamento em II Timóteo 2:14, 15.
  3. Que quatro coisas a Escritura nos capacita a fazer? ( II Tim. 3:16)
  4. Leia como a Palavra é descrita como uma formidável espada em Hebreus 4:12. Escreva sua própria descrição de como a Palavra tem sido viva e ativa em sua vida e na vida de outros.