Missão Urbana

União Central Brasileira

O Espírito Santo e a Missão

 

Emilio Abdala

Uma medida do progresso do homem através dos tempos tem sido a sua descoberta e utilização da energia: o poder muscular de homens e animais, fogo, vento, gás, carvão e óleo, vapor, energia elétrica e nuclear. No entanto, estranhamente e, infelizmente, poucos têm reconhecido e utilizado o poder espiritual de Deus. Ele é onipotente ou todo-poderoso. Na verdade, Ele é a fonte de todo o poder. Onde quer que o Espírito Santo é mencionado na Bíblia, Ele está relacionado ao poder de uma forma ou de outra, mas a maior ênfase é o poder espiritual.[1] O Espírito Santo impulsionou o evangelismo da Igreja Apostólica de muitas e variadas maneiras:

1.  A plenitude do Espírito Santo deu ousadia aos apóstolos. De acordo com Atos 4:31: “Depois de orarem, tremeu o lugar em que estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e anunciavam corajosamente a palavra de Deus.” Alguns dizem que o enchimento do Espírito  leva pessoas a falar em línguas; no entanto, o livro de Atos mostra que o preenchimento resulta em evangelismo ousado.

2.   O Espírito Santo comissionou missionários e evangelistas. Paulo explicou em Efésios 4:11 que Deus chamou alguns para servir como apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres. Essas pessoas foram chamadas e dotadas pelo Espírito Santo para que pudessem estabelecer e conduzir  a igreja. Sua responsabilidade especial é capacitar os membros da igreja para o ministério. Atos 13:1-3 diz como o Espírito Santo chamou Paulo e Barnabé para servirem como missionários. O Espírito Santo deu à Igreja os líderes necessários para levar a cabo a sua missão.

3.  O Espírito Santo guiou Seus servos de maneira graciosa na resolução de tensões graves e problemas (At 15).

4.   O Espírito Santo operou sinais e maravilhas através dos primeiros cristãos. Estes sinais e maravilhas autenticaram a mensagem e o ministério dos apóstolos. Por meio desses milagres, o Espírito confirmou estes homens como mensageiros de Deus (At 4:31; 11:14-17).

5.   O Espírito Santo concedeu dons espirituais aos crentes. Paulo explicou em 1 Coríntios 12 e 14 como o Espírito Santo deu dons espirituais para os membros da igreja, para que pudessem cumprir o seu papel na edificação do corpo de Cristo. Esses crentes talentosos eram um elemento chave para o crescimento da igreja primitiva.

6.   O Espírito Santo guiou a plantação de igrejas e prescreveu o principal meio pelo qual o evangelho deve crescer em todo o mundo. Esses meios incluem a proclamação do Evangelho, o testemunho dinâmica dos santos, as orações perseverantes das igrejas e a disposição dos santos para sofrer pelo evangelho de Jesus Cristo (At 13-19).

7. Ele inspirou os apóstolos para preparar uma literatura permanente para a orientação dessas igrejas em sua missão, a preservação da mensagem e do modo cristão de vida (2 Pe 1:19-21 e 2 Tm 3:16-17)

 

Essas funções do Espírito Santo são vitais para as missões. Além disto, não se esqueça do trabalho adicional do Espírito Santo na vida dos crentes. Ele é a “garantia” da nossa herança futura em Cristo (Ef 1:13, 14). Andar no Espírito concede vitória sobre os desejos da carne (Gl 5:16) e é Ele quem derrama o amor de Deus em nossos corações (Rm 5:5). Sua presença interior dá segurança, não só de nossa salvação, mas também da nossa ressurreição (Rm 8:9-11). Ele produz os frutos que validam a proclamação missionária (Gl 5:22) e distribui dons para a edificação do corpo e para a obra do ministério (Ef 4:11-12).

A superintendência do Espírito Santo nas missões é evidente em todo o Novo Testamento. Fica claro que o Espírito Santo não só residia, mas presidia a igreja primitiva.[2] Dwight Moody afirmou que “Não há melhor evangelista no mundo do que o Espírito Santo.”[3] “Evangelismo sem o Espírito Santo”, observa Miles Delos, “é como um corpo sem alma.”[4] “Não existem substitutos para o Espírito Santo na vida e ministério de um líder cristão,” declara Duewel, que acrescenta: “Estamos em perigo de sermos melhor treinados no nível humano do que sermos capacitados pelo Espírito.”[5] Ellen White também exalta o papel do Espírito no cumprimento da missão em seus escritos:

“A pregação da palavra não é de nenhuma utilidade sem o auxílio do Espírito Santo… Um pastor pode ser capaz de apresentar a letra da Palavra de Deus; pode-se achar familiarizado com todos os seus mandamentos e promessas; mas sua sementeira do evangelho não terá êxito a menos que a semente seja despertada para a vida pelo orvalho do Céu. Sem a cooperação do Espírito de Deus, nenhum grau de educação, nenhuma vantagem, por maior que seja, pode tornar uma pessoa um canal de luz”.[6]

Não obstante isto, ela observa uma triste atitude dos Adventistas do Sétimo Dia em relação à sua dependência do Espírito para o cumprimento da missão:

“mas a impressão quanto ao Espírito Santo tem sido a de que esse dom não é para a igreja agora, mas a de que algum tempo no futuro será necessário à igreja recebê-lo” [7]

Infelizmente, muitos cristãos consideram o Espírito Santo como uma nova descoberta dos carismáticos e pentecostais. No entanto, precisamos entender que o Espírito Santo não é uma posse exclusiva de denominações particulares. Sem o seu trabalho contínuo, os esforços missionários seriam impossíveis. E porque Ele continua fazendo essas coisas ainda hoje, a história de Atos é um relato inacabado. Cada seguidor de Cristo tem o seu próprio ministério missionário a cumprir, e cada um deve fazê-lo sob a orientação e o poder do Espírito Santo.[8]

Ore pela Direção do Espírito

Existem vários desafios modernos e tendências globais que desafiam a grande comissão dada por Cristo à sua igreja. Por exemplo, como encontrar melhores maneiras para alcançar as pessoas em áreas urbanas, que agora compõem mais de 50 por cento da população mundial? Como superar o nacionalismo que influencia algumas pessoas a rejeitar tudo o que vem de qualquer outra nação? Como aproveitar a globalização que abre as portas da comunicação para novas idéias, de maneira a evangelizar muitos que vivem na ignorância do evangelho? Mais do que nunca, devemos buscar a orientação do Espírito para a nossa vida e missão.

Pouco antes de subir ao céu, Jesus disse aos Seus discípulos: “Eu lhes envio a promessa de meu Pai; mas fiquem na cidade até serem revestidos do poder do alto” (Lc 24:48 NVI). Por que Jesus disse isso? Ele sabia que seus discípulos precisavam desesperadamente de capacitação do Espírito. Como eles poderiam saber para onde deveriam ir ou o que fazer sem a orientação do Espírito?

Há vários exemplos de orientação do Espírito na Palavra de Deus. Em Atos 8, Filipe  é instruído pelo anjo a levar o evangelho ao eunuco. As novas instruções recebidas do anjo devem ter parecido estranhas para Filipe, afinal, ele estava tendo enormes resultados em Samaria. Mas Deus necessitava de um “construtor de pontes” como Filipe para levar o evangelho a um território estrangeiro, desafiar antigos preconceitos e alcançar pessoas receptivas ao evangelho.  Assim, também, devemos ser sensíveis ao Espírito, que nos levará às pessoas que estão prontas para responder ao evangelho.

No relato da conversão de Paulo em Atos 9, Deus instruiu Ananias acerca das necessidades de Saulo; instruiu Cornélio a enviar seus servos em busca de Pedro, e ao mesmo tempo, usou uma visão para impressionar Pedro sobre a necessidade dos gentios de ter a salvação (At 10). E em Atos 16, Paulo, Silas e Timóteo visitavam as igrejas plantadas durante a primeira viagem missionária, tquando entaram entrar na província da Ásia, onde Éfeso estava localizada. No entanto, o Espírito Santo os impediu de pregar a Palavra ali. Em seguida, eles tentaram entrar na província da Bitínia, e novamente “o Espírito de Jesus os impediu” (Atos 16:7). Finalmente, eles foram para Trôade, aparentemente para aguardar orientação divina. Ali Paulo teve uma visão de um macedônio que lhe implorou: “Passe à Macedônia e ajude-nos” (vs.9). Paulo compreendeu imediatamente que esta era a vontade de Deus e, portanto, ele e seus companheiros viajaram para Filipos, onde fundaram uma importante igreja. Esses exemplos nos lembram que não podemos trabalhar em qualquer lugar ou fazer tudo de uma vez. Devemos confiar na orientação do Espírito para determinar o que vamos fazer e quando vamos fazê-lo. Calvino afirmou que “não há nada pior para bloquear o Espírito do que a confiança em nossa própria inteligência.”[9] E White parece concordar ao afirmar que:

“Nós não podemos servir-nos do Espírito Santo; Ele é que nos há de usar a nós… Mas muitos não se querem submeter a ser guiados. Querem dirigir-se a si mesmos. Eis porque não recebem o dom celestial. Apenas àqueles que esperam humildemente em Deus, que estão atentos à Sua guia e graça, é o Espírito concedido. Esta prometida bênção, reivindicada pela fé, traz consigo todas as demais bênçãos.”[10]

É por falta desta direção que muitas igrejas estão tão ocupados fazendo coisas boas, que negligenciam as coisas prioritárias.

 

Desenvolva um Ministério da Intercessão

 Se o Espírito Santo deixasse sua igreja hoje, alguém iria notar? Acontece alguma coisa em sua congregação que não é claramente devido ao esforço humano? Que impacto a sua igreja tem produzido em sua comunidade? Como o proverbial sapo na panela, a perda da espiritualidade é tão gradual e tão sutil que muitas igrejas hoje sofrem de estagnação e inércia missionária.[11] Dezenas de igrejas não batizaram ninguém no ano passado e muitas comunidades desconhecem ou acham a igreja irrelevante. O evangelista R. A. Torrey lamenta esta situação e observa:

“Sempre estamos ocupados demais para orar, ocupados demais para ter poder. Temos uma grande quantidade de atividades, mas realizamos pouco; muitos serviços, mas poucas conversões, muitos equipamentos, mas poucos resultados”.[12]

Os cristãos da era apostólica não tinham nenhuma de nossas vantagens; não tinham nem mesmo o Novo Testamento. Ainda assim, eles viraram o Império Romano de cabeça para baixo.[13] O Espírito Santo não apenas inaugurou uma era de missões, mas Ele criou uma atmosfera de missões na qual a igreja pode operar. O evangelista G. Campbell Morgan afirmou que “O reavivamento não pode ser organizado, mas podemos içar nossas velas para apanhar o vento do céu, quando Deus decidir soprar sobre o seu povo mais uma vez.[14]

A maneira de faze-lo é através da oração. Esta é certamente uma boa iniciativa para a igreja hoje. A oração é tanto o termômetro quanto o termostato da igreja local, pois a “temperatura espiritual” sobe ou desce, dependendo de como o povo de Deus ora. Posso até sentir um tom de urgência nas palavras de Ellen White em seu desejo de ver uma revolução missionária na igreja que tanto amou:

“Uma vez que este é o meio pelo qual havemos de receber poder, por que não sentimos fome e sede pelo dom do Espírito? Por que não falamos sobre ele, não oramos por ele e não pregamos a seu respeito?… Grupos de obreiros cristãos se devem reunir para suplicar auxílio especial, sabedoria celestial, para que saibam como planejar e executar sabiamente…A presença do Espírito com os obreiros de Deus dará à proclamação da verdade um poder que nem toda a honra ou glória do mundo dariam.”[15]

Observem que ela relaciona o poder do Espírito ao cumprimento da missão. Isto requer pedidos específicos envolvendo a missão de Deus. O Novo Testamento apresenta muitos motivos para a oração específica. Esta lista não é exaustiva, mas é ilustrativa. Somos exortados a orar por:

•   Evangelistas (Mt 9:38)

•   Missionários (At 13:3)

•   Portas abertas (Cl 4:3)

•   Novos crentes (Cl 1:9)

•   Unidade na congregação (1Tm 2:8)

•   Perdidos (Rm 10:1)

Devemos orar especificamente, e devemos nos alegrar e agradecer a Deus quando Ele responder às nossas orações. Muitos cristãos mantêm um diário de oração em que registram seus pedidos e respostas às orações. Há muitas maneiras de desenvolver um ministério de oração. Na maioria das igrejas a oração é uma atividade, mas não um ministério intencional. Aqui estão algumas maneiras que você pode mobilizar os seus membros para orar:

 

Corrente de oração. Uma corrente de oração é um grupo de crentes que se comprometeram com a oração de intercessão. Quando surge uma necessidade, os membros da corrente comunicam a notícia e começam a orar por essa situação.

Grupos de oração. Este é um grupo de cristãos que se reúne regularmente para a oração e o encorajamento mútuo. A cada pessoa que frequenta é dada a oportunidade de compartilhar pedidos e respostas de orações em sua própria vida. Uma lista de preocupações gerais ou pedidos para o grupo é normalmente fornecido. Muitos grupos de oração hoje são frequentemente chamados de “pequenos grupos”. Você também pode querer incentivar as classes da Escola Sabatina para fazer da oração uma parte significativa da reunião semanal.

Dia especial de oração. Algumas igrejas estão designando dias especiais para oração e jejum. Mais igrejas precisam fazer isso, e quando o fizerem, elas irão testemunhar um reavivamento na congregação e na denominação.

Retiros de oração. Retiros de oração proporcionam uma oportunidade para os crentes aprenderem mais sobre a oração e orar com menos distrações.

Caminhadas de oração. Esse método é inspirado na experiência de Josué em Jericó. Organize caminhadas com dois ou mais crentes para intercederem pela vizinhança ou em comunidades onde se pretende evangelizar. Enquanto caminham, orem por entendimento sobre como melhor satisfazer as necessidades práticas da comunidade e mostrar o amor de Cristo; peçam a Deus revele pessoas receptivas (Mt 10:11 e Lc 10:6) da area e prepare o coração das pessoas para receberem a sua Palavra.

Sumário

O estudo acima estabelece o fato de que o papel do Espírito Santo na missão é indispensável. Como a missão tem a sua origem em Deus, só pode ser cumprida com ajuda divina. O Pentecostes foi um acontecimento vital na história da missão. O Espírito Santo constituiu a Igreja e permaneceu com a Igreja para realizar a missão. Ele guia (Jo 16:13), produz frutos (Gl 5, 22), e capacita a Igreja com os dons espirituais (Rm 12:6-8). Seu trabalho vai continuar até a vinda de Jesus Cristo para a Sua Igreja. Os cristãos devem suplicar pelo poder para cumprir a Grande Comissão, mas devem entender que o poder do Espírito não virá sem o esforço dos membros. Concluo com as palavras de Ellen White: “Nosso dever é não estarmos olhando adiante, a um tempo especial para alguma obra especial a ser feita a nosso favor, mas ir avante em nossa obra de advertir o mundo; pois devemos ser testemunhas de Cristo até aos confins do mundo.”  Mensagens Seletas, Vol. 1, p. 190.

 


[1] Hobbs, H. H. (1990). My favorite illustrations (137). Nashville, TN: Broadman Press.

[2] Peters, G. W. (1972). A biblical theology of missions (304). Chicago, IL: Moody Press.

[3] Water, M. (2000). The new encyclopedia of Christian quotations (487). Alresford, Hampshire: John Hunt Publishers Ltd.

[4] Miles, Introduction to Evangelism, 199.

[5] Ibid., 79

[6] White, E. G. (1915). Gospel Workers (284). Review and Herald Publishing Association.

[7] White, E. G. (1923). Testimonies to Ministers and Gospel Workers (174). Pacific Press Publishing Association.

[8] Terry, J. M., Smith, E. C., & Anderson, J. (1998). Missiology: An introduction to the foundations, history, and strategies of world missions (108–109). Nashville, TN: Broadman & Holman Publishers.

[9] Water, M. (2000). The new encyclopedia of Christian quotations (486). Alresford, Hampshire: John Hunt Publishers Ltd.

[10] White, E. G. (1915). Gospel Workers (285). Review and Herald Publishing Association.

[11] Brunson, M., & Caner, E. (2005). Why Churches Die: Diagnosing Lethal Poisons in the Body of Christ (74). Nashville, TN: Broadman & Holman Publishers.

[12] Torrey, R. A. (1895). The baptism with the Holy Spirit. (30). New York; Chicago: Fleming H. Revell Company.

[13] Terry, J. M. (1997). Church evangelism: Creating a Culture for Growth in Your Congregation (16). Nashville, TN: Broadman & Holman Publishers.

[14] Galaxie Software. (2002). 10,000 Sermon Illustrations. Biblical Studies Press.

[15] Testimonies for the Church, Volume 8. 1855 (22). Pacific Press Publishing Association.