Missão Urbana

União Central Brasileira

Hábitos

Charles Swindoll

Eu costumada roer as unhas e deixá-las curtas rapidinho. Eu arrancava o primeiro sinal de que elas estavam crescendo novamente. Por aproximadamente vinte anos eu carreguei 10 dedos horríveis, que resultaram em duas experiências miseráveis:

Vergonha pessoal. Eu estava sempre com medo das chamadas “inspeções de limpeza de mãos” na escola e nos acampamentos de verão. Os médicos que faziam os exames se enfureciam com minhas mãos.

Limitações físicas. Se eu deixasse cair 1 centavo – esquece! A mesma coisa se eu tentasse pegar um palito de dente, pecinhas, ou pequenos parafusos. Minha mãe tentou de tudo para me fazer parar: suborno com dinheiro, esmaltes ardidos, uso de luvas de dia e de noite, vergonha pública e lembretes privativos. Mas nada funcionou, nada! Eu roia até que meus dedos sangrassem. Eu me lembro de ir a alguns encontros e não tirar a mão do bolso em nenhum momento, então a garota não perceberia. Eu evitava jogos de dominós, faltava aulas de piano e ficava longe de projetos manuais. Como eu odiava aquele hábito! Eu queria tanto parar com isso que passava noites acordado pensando em como poderia fazê-lo. Mas o fato era que eu não conseguia. A despeito da dor e da pressão, aquele hábito, como todos os hábitos, tinha me agarrado.

Um educador americano, Horace Mann, certa vez descreveu: “Hábito é como um cabo: nós tecemos um fio disso todos os dias, até que nós não conseguimos mais desfazê-lo.”

Mas Deus começou a me convencer sobre meus modos com relação às unhas. Levou quase uma década para conseguir a vitória final, vergonhosamente, eu admito. Durante o processo, Ele, gentilmente, mas claramente, me fez enxergar que isso era muito mais importante do que oito dedos e um par de dedões. Eu estava sendo escravizado – manipulado pelo hábito dominador. Eu era uma contradição viva da verdade libertadora de 1 Coríntios 6:12: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma.”

Você não imagina como a conviccção desse verso me deixou entusiasmado. A palavra grega traduzida “dominado” significa ser mantido sob a autoridade de alguma coisa. Um olhar mais profundo revela que esse verso não fala somente sobre algo sem lei ou perverso, mas na verdade sobre algo legítimo… mas não vantajoso. Meu primeiro encontro com esse verso não foi meu encontro final com esse hábito doloroso. Mas estava certo que em algum ponto isso iria mudar, graças a Deus.

Nenhuma pessoa que leia este artigo é livre de hábitos ruins. Esse é o preço que pagamos por sermos humanos. Alguns estão lutando com hábitos comuns como o exagero, a mentira ou a procrastinação. Outros, por hábito, são negativos, amargurados, resultando em outros hábitos. Enquanto uns são ingratos e exigentes, outros continuam extravagantes e sem discernimento.

Alguns se sentem encurralados pela dependência do consumo do álcool, vício das drogas, nicotina ou cafeína, a luxúria, ou um comprimido para cada “ite”. Hábitos como a fofoca, preocupação, irritabilidade, profanação, são praticados regularmente sem culpa através de esquemas mentais habilidosos.

A lista não tem fim, existem inúmeros hábitos para todos os detalhes da vida. Ao invés de focarmos na lista, vamos focar em cinco sugestões que nos ajudarão em 1 Coríntios 6:12:

Pare de racionalizar. Evite fazer comentários como: “Eu sou assim. Esse sou eu – sempre fui, sempre vou ser. Afinal, ninguém é perfeito.” Desculpas como essas estão no limite da desobediência e encorajam ou diminuem, até mesmo ignoram completamente a convicção do trabalho do Espírito.

Aplique uma estratégia. Aproxime-se de seu alvo com uma flecha, e não com uma metralhadora. Acabe com um hábito de cada vez e não todos de uma só vez.

Seja realista. Não será rápido. Não será fácil. Você não conseguirá resolver seu problema do dia para a noite. Falhas periódicas, entretanto, ainda são melhores do que a habitual escravidão.

Seja corajoso. Tenha em mente que você está neste caminho para uma vitória triunfal… Pela primeira vez em anos! Entusiasmo fortifica a disciplina e agiliza uma atitude firme.

Comece hoje. Este é o melhor momento da sua vida. Desistir é admitir derrota e só vai intensificar  e prolongar a batalha.

Extrair os dolorosos cravos do hábito permite que prestemos menos atenção em nós mesmos e mais nAquele que é importante. E o pensamento mais interessante disso tudo é que Ele vai estar lá para você, cada manhã, para te ajudar durante o dia com toda a força que você precisa, um momento de cada vez.

 

Aprofundando suas raízes
Mateus 6:24; 1 Corintios 6; Hebreus 10:19-25

Ramificando
1. Liste três hábitos que você gostaria de se livrar. Escolha um e aplique os cinco passos mencionados no artigo de hoje.
2. Conte com uma pessoa. Avise-a dos hábitos que você gostaria de se livrar. Peça para ela ligar diariamente para o encorajar e saber como você está se saindo.
3. Escreva em um papel dez razões pelas quais você gostaria de exterminar o hábito, e dez benefícios a serem obtidos se você conseguir parar. Coloque essas razões em algum lugar que possa lhe encorajar durante a semana.