Missão Urbana

União Central Brasileira

Fazendo Amigos

por Mark Finley

Jane sentou-se na sala para olhar um panfleto que acabava de chegar pelo correio. Era a propaganda de um certo “Seminário do Apocalipse”, que seria realizado em sua cidade. Ela havia estudado a Bíblia por seis meses, e certamente estava interessada nas profecias bíblicas, mas aquelas figuras de animais no panfleto pareciam muito estranhas, e ela nunca ouvira falar da pessoa que dirigiria o Seminário. Jane queria ir, mas afinal prevaleceram os seus temores de que alguma seita poderia estar por trás daquelas reuniões; ela amassou o folheto e jogou-o no lixo.

Umas três horas mais tarde, sua amiga Bárbara chegou para uma visita. Elas conversaram por alguns minutos, e então Bárbara disse: “Jane, o pastor da minha igreja, que é muito meu amigo, está realizando uma série de estudos bíblicos sobre o livro do Apocalipse. Aqui está um pequeno panfleto que dá todas as explicações; você gostaria de ir?” E Bárbara entregou a Jane o mesmo folheto que ela acabara de jogar fora. Mas desta vez Jane disse: “Vou gostar de ir. A propaganda parece muito interessante!” O que fez a diferença entre o folheto que foi amassado e o que foi aceito? A amizade. A amizade afasta o preconceito, derruba barreiras e estabelece uma ponte entre o desconhecido e o conhecido. A amizade é o meio que Deus usa para atrair homens e mulheres a Si.

A AMIZADE DERRUBA BARREIRAS!

 

Muitos estudos importantes têm documentado a importância da amizade na conquista de almas. O Dr. Gotfried Oosterwal, da Universidade de Andrews pesquisou 4.000 conversos à igreja Adventista do 7o Dia na América do Norte. Ele descobriu que 57% de todas as pessoas convertidas à igreja adventista foram convidadas para reuniões evangelísticas, ou para a igreja, por parentes ou amigos. Quando o Dr. Oosterwal examinou todos os agentes que influenciaram as pessoas a se unirem à igreja, ele descobriu que vizinhos e amigos estavam em primeiro lugar. Eles se constituem na maior influência em levar para a igreja pessoas que ainda não são membros.

ANTES DE VOCÊ FAZER UM AMIGO ADVENTISTA DO 7O DIA  VOCÊ DEVE FAZER UM AMIGO

Um estudo realizado por Flavel Yeakley examinou três diferentes grupos de 240 pessoas. O primeiro grupo consistia de pessoas que haviam saído da igreja. Yeakley descobriu que 71% destas pessoas haviam sido trazidas por alguém que usara o método MONÓLOGO MANIPULATÓRIO, isto é, alguém tentara agarrá-las pelo braço e pressioná-las para dentro da igreja. O 2o. grupo consistia de pessoas que não atenderam ao apelo do evangelho – não tomaram nenhuma decisão por Cristo. Yeakley descobriu que 84% destas pessoas entraram em contato com alguém que usou o método TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO, alguém que simplesmente partilhou a verdade do modo “é pegar ou largar” – “Se você aceitar exata mensagem, você vai para o Céu; se não aceitar, vai para o inferno”. O terceiro grupo consistia de ativos membros da igreja. Yeakley descobriu que 94% destas pessoas haviam sido trazidas por alguém que usou o método do DIÁLOGO CRIATIVO, alguém que fez perguntas, demonstrou interesse por elas, tornou-se um amigo.

A AMIZADE LEVA AS PESSOAS PARA A IGREJA E AS AJUDA A PERMANECER.

Estudos como antes tornam claro como o cristal o importante papel da amizade, da atenção, ao trazer pessoas para a igreja. Estudos também demonstram que a amizade conserva as pessoas na igreja. O Dr. Win Arn comparou 50 pessoas que eram membros ativos da igreja com 50 pessoas que haviam saído da igreja. Ele verificou quantos amigos cada pessoa tinha na igreja nos primeiros seis meses após tornar-se membro. Sua descoberta foi: A GRANDE MAIORIA DOS QUE SAÍRAM POSSUÍA MUITO POUCOS AMIGOS, SE É QUE TINHAM ALGUM, DENTRO DE SEIS MESES APÓS SE UNIREM À IGREJA.

A amizade leva as pessoas para a igreja e a amizade as ajuda a permanecer. Como podemos estabelecer laços de amizade com outras pessoas? Como podemos nos tornar no amigo que leva outra pessoa a Cristo? Jesus nos mostra a melhor maneira de ser um amigo que ganha almas. Observando o Seu relacionamento com vários tipos de pessoas, descobrimos com vários tipos de pessoas, descobrimos os três passos da arte de fazer amigos.

  1. CONCORDAR com o outro, quando for possível.

Suponha que você conheça um Batista e comecem a falar sobre a situação do mundo. Então ele observa, esperançoso: “Talvez o arrebatamento secreto ocorra em breve.” Seria esta a ocasião para abrir a Bíblia e apresentar-lhe os corretos conceitos sobre os acontecimentos finais da história? Não, você tem que admitir que ele está correto, até onde é possível. Quais as crenças que vocês têm em comum? Ele está esperando estar com Jesus no Céu. Você também. Isto não é importante? Concorde com ele sobre isto. Diga algo como: “Eu também estou aguardando como você, a volta de Jesus e o fim de toda a tristeza neste mundo.”

Suponha que você encontre uma amiga que está voltando de um funeral. Ela diz: “Estou contente que mamãe está no Céu com Jesus agora.” O que você responde? Você tenta corrigir suas idéias erradas a respeito do estado dos mortos? Não; considere as crenças que vocês têm em comum. Você pode dizer: “Será um dia maravilhoso quando nos encontrarmos com nossos queridos no Céu.” O mais importante não é ganhar nos debates. É ganhar um amigo! Tente concordar com as pessoas em todos os pontos possíveis, até que Deus faça com que queiram saber mais. Ellen White enfatiza: “Concordai com as pessoas em todos os pontos em que podeis coerentemente assim fazer. Vejam elas que amais suas almas, e quereis, tanto quanto possível, estar em harmonia com elas.” Evangelismo, p. 141

2. APROVE as pessoas sem criticar

Não são muitas as pessoas que vêem para a igreja devido a crítica e condenação. Ser um amigo verdadeiro é esforçar-se para encontrar alguma coisa para elogiar, felicitar a outra pessoa. Jesus desenvolveu este aspecto até que se tornasse numa elevada arte. Quando estavam criticando Maria por desperdiçar aquele caro perfume nos pés de Jesus, Ele dirigiu à desconcertada mulher um maravilhoso elogio: “Em verdade vos digo que onde for pregado em todo o mundo o evangelho será também contado o que ela fez, para memória sua”. (Marcos 14:9) Quando uma mulher Cananéia, a quem os discípulos de Jesus consideravam menos que um cachorro, veio em busca de ajuda para sua filha, Jesus disse algo para enaltecê-la: “mulher, grande é a tua fé!” (Mat. 15:23).

Quando você se relacionar com as pessoas, demonstre-lhes a graça de Deus, expressando aprovação, quando isto for possível. Mesmo se alguém criticá-lo enquanto você apresenta textos bíblicos, tente expressar uma frase positiva. Você pode dizer: “Obrigado por fazer perguntas tão boas.” Encontre sempre um meio de demonstrar aprovação. “Vosso êxito não dependerá tanto de vosso saber e consecuções, como de vossa habilidade em chegar ao coração das pessoas.” Evangelismo, p. 437.

3. ACEITAR as pessoas como e onde elas estão.

Jesus aceitava os indivíduos como os encontrava. Ele não Se relacionava com eles permanecendo em Seu nível de espiritualidade,mas identificava-Se com seus interesses e preocupações. Ao recusar-Se  a condenar a mulher surpreendida em adultério cativou-a para uma nova vida. Ele aceitou o ladrão na cruz exatamente como ele era, e levou-o ao arrependimento. Ele aceitou a supersticiosa crença da mulher que procurava tocar sua túnica e transformou-a numa fé mais pessoa. Aceitar não significa que você aprova as ações ou posição doutrinária da pessoa. Significa que você demonstra uma consideração positiva e coerente. Certa vez uma senhora me contou que o seu filho estava vivendo com uma mulher, e planejava se casar. Esta mãe resolveu não ir ao casamento, demonstrando assim a sua desaprovação. Eu lhe perguntei: “Isto fará com que seus corações se tornem mais inclinados a aceitar a Cristo?” E expliquei: “Ir ao casamento não significa que a senhora aprova o que eles estão fazendo; significa que a senhora os aceita apesar do que estão fazendo.”Jesus nos aceita onde estamos. Ele demonstra Seu amor por nós enquanto ainda somos Seus inimigos. Ele não nos ama somente quando somos moralmente digno; Ele nos ama apesar de sermos indignos.

CONCORDE. APROVE. ACEITE. Lembre-se sempre destes três passos ao fazer amigos para Cristo. Jesus fez amigos para a eternidade desta maneira. Cada um de nós pode ser parte do grande fator de amizade na bem-sucedida conquista de almas.

Discussão e Participação

(Os participantes devem se dirigir em grupos pequenos, para que possam compartilhar suas experiências)

  1. A maioria (57%) dos que se unem à nossa igreja são influenciados a assim fazer por que grupo de pessoas?
  1. Defina a verdadeira amizade. Que qualidades você espera encontrar em um amigo?
  1. Você concorda com esta declaração? “A igreja deve ter padrões bíblicos para os membros, padrões mais elevados para os líderes, e nenhum padrão para os interessados.
  1. Como você aplica os princípios do amor, aceitação e padrão a uma jovem solteira da igreja que fica grávida? E quanto às pessoas que se vestem de modo diferente das normas aceitas, e aquelas que usam álcool ou drogas? Como podemos aceitar as pessoas sem aprovar as ações que Deus condena?

COMPROMISSO

Pense em algum parente, colega ou conhecido que você gostaria de ganhar para Cristo. Procure conhecê-lo um pouco mais; tente encontrar um meio de expressar que você está de acordo, que o aprova e aceita.

INTERAÇÃO COM A PALAVRA

  1. Leia o início do discurso de Paulo em Atos 22:1-4. Observe como Paulo descobriu um terreno em comum, algo em que estavam de acordo, mesmo com a multidão que tentava matá-lo.
  2. Observe todas as coisas que Paulo encontrou para animar e aprovar em suas linhas abertas aos Tessalonicenses (I Tess. 1:1-4).
  3. Qual é a base suprema para aceitarmos uns aos outros? (Rom. 15:7)
  4. Leia a história de Lucas 7:36-50 e escreva de que maneiras Jesus demonstrou Sua aprovação e apreciação à “mulher pecadora” que interrompeu uma festa.