Missão Urbana

União Central Brasileira

Como Testemunhar


por Mark Finley

Um homem caiu numa cova fria e escura, e começou a gritar por socorro. Diz a estória que Buda aproximou-se dele, e fitando-o de cima, disse-lhe: “A razão pela qual você está neste buraco é porque você tratou os outros injustamente na vida passada. Se você aprender as lições que o poço está lhe ensinando e seguir a luz interior, você será livrado.” Então, Buda se afastou. Mais tarde, Maomé se aproximou. Ele disse: “Jovem, você precisa se ajoelhar na direção do templo três vezes ao dia, praticar dias de jejum, e prometer fazer uma peregrinação a Meca. Se fizer isso, você será livrado.”

Então, o Carpinteiro da Galiléia chegou à cena, com marcas de pregos em Suas mãos. Ele deslizou abaixo na escuridão, e, depois de muita luta e dor, finalmente ergueu o homem miserável daquele buraco, dando para isso a Sua própria vida. O Evangelho de Jesus Cristo torna o cristianismo único em meio a tantas religiões no mundo. A maior parte das religiões lida com o como e o porquê o homem deve buscar a Deus. Mas, o cristianismo apresenta Deus buscando o homem.

A coisa mais importante que podemos comunicar em nosso testemunho por Deus é o que Ele tem feito para reconciliar o ser humano Consigo. O coração do evangelismo é Jesus Cristo, a solução de Deus para o problema do pecado. Partilhar a sua fé, significa dizer o que Jesus tem feito por você. Há poder em apontar a solução em Jesus. Ele prometeu: “E Eu, quando for levantado da Terra, atrairei todos a mim mesmo” (S. João 12:32). Jesus é o poder de atração; Ele é o ganhador de almas. Como alcançar o povo? Como manter contatos que criem oportunidades para testemunhar? Uma técnica é memorizar a palavra FORT: Família; Ocupação; Religião e Testemunho

Ao nos aproximarmos de alguém, geralmente fazemos perguntas sobre os outros membros da família. Demonstre interesse em sua família (as pessoas sempre se tornam abertas a essa abordagem). Então, mova-se para a sua ocupação ou trabalho. Os homens, às vezes, falam a respeito do seu trabalho. Pergunte-lhe o que faz e o que mais gosta em seu trabalho. Fale algo sobre você mesmo. Nessa oportunidade, você deve perguntar sobre a sua formação religiosa: “Você freqüenta alguma igreja neste bairro? Você nasceu em lar cristão?” Quando a pessoa fala sobre a sua experiência religiosa, logo surge a oportunidade de você falar sobre a sua. Conduza a conversa gradualmente:

a) Fale sobre a sua experiência cristã. Faça poucas perguntas sobre o que ele gosta em sua religião e se tem sido desencorajado em sua própria fé. Então, relate algumas experiências que poderiam ajudá-lo a ter fé e a se comprometer com Cristo. Lembre-se de que o seu testemunho não é acerca de doutrinas da Igreja Adventista do 7º Dia. O primeiro e mais importante assunto é o que Jesus significa para você. Tente expressar o seu testemunho em 2 ou 3 minutos. Dê prioridade a uma experiência particular que melhor expresse o que a sua fé significa para você, ou de como Deus respondeu a sua oração num momento de crise.

b) Ao darmos o nosso testemunho pessoal devemos considerar três elementos essenciais:

  • Minha vida antes de ser cristão.
  • Como cheguei a ser cristão.
  • O que significa Jesus em minha vida.

Ex.: O testemunho de  Paulo perante o Sinédrio (Atos 22).

c) Dê ênfase aos benefícios que você recebeu depois de tornar-se cristão.

d) Não seja prolixo nem enfadonho.

e) Enalteça as vantagens da vida cristã: harmonia no lar; vida saudável; e a certeza do perdão dos pecados (Salmos 32:1,2).

Um homem esfarrapado, alquebrado de corpo e espírito,  vagueava em Worcester, no Estado de Massachusetts, a caminho do rio, por uma noite de domingo. Arruinara por tal forma a sua vida que, coração pesaroso e em desespero, não podia ver outra saída senão o suicídio. De repente, alguém lhe pôs a mão no ombro, dirigindo-lhe algumas palavras bondosas. Foi convidado a ir à igreja e, posteriormente, a assinar o compromisso de temperança. E ele o fez, seguindo-se terrível  batalha com o próprio apetite. Por seis dias e noites, ficou numa miserável água-furtada. Ao voltar ao seu trabalho, fraco mas vitorioso, um aperto de mão amigo e uma expressão de confiança o guardaram do desespero. Alguém testemunhou de Cristo a esse rapaz vencido pelos vícios e ele se converteu. Tal foi o início da admirável vida de serviço que ele havia de prestar a Deus em dois continentes, pois esse homem foi João B. Gough, o grande conferencista de temperança, cuja vida e obra beneficiaram a milhares.